Micael e o portal do Outono na Terra

Carmem Tescarolo*

O Angelus, de Jean-François Millet, 1857.

A Terra, a nossa casa no Cosmo, é um corpo íntegro, único, que na sua relação com o Sol produz os efeitos das quatro estações, cada uma delas marcando um evento celestial que nos afeta de maneira singular: os dois equinócios e os dois solstícios. Cosmicamente, na concepção tradicional, a Terra tem apenas uma estação (ainda que o hemisfério sul sinta os efeitos da polaridade). O planeta como um todo recebe as emanações celestiais particulares de cada estação. Ou seja, cosmicamente,no presente mês setembro veremos o ingresso das energias do Outono, que se inicia pelo signo de Libra, ou Balança. Assim como em cima, embaixo. No seu passo em volta do Sol, a Terra nos recorda os ciclos da vida que estão manifestos tanto no macrocosmo, na sucessão contínua das estações, como no microcosmo, nos momentos do dia, nos quartos da Lua e nas fases da vida. Como um todo, compartilhamos as energias sazonais do Cosmo.
Para falar de Micael, celebrado no final de Setembro, e o que sua força representa na Terra, temos de nos referir ao Outono. As energias outonais sinalizam o início do fim de um ciclo da Terra na sua viagem em volta do Sol, em contraposição às forças presentes no equinócio da primavera, quando a luz ganha força sobre a escuridão promovendo o brotar e a renovação da vida no planeta. O que foi inaugurado na primavera atinge sua completude no verão, condensa-se em semente no Outono, para depois iniciar o processo de germinação no Inverno e daí ressurgir para a luz, na Primavera.
As manifestações da “Anima Mundi”, a alma do mundo, emanam de maneira similar para todas as almas terrenas: o que está em cima está embaixo. No portal do Outono testemunhamos o fenômeno astronômico denominado “equinócio” ou “noites iguais”, em que presenciamos o perfeito equilíbrio da luz entre o dia e a noite, a partir do que, a luz muda de qualidade e gradualmente perde força para dar lugar à escuridão: o que está externo vira interno, recordando-nos que toda ascensão requer uma descida, cobrando-nos coragem.
Na alma humana, como na natureza, vivenciamos os ciclos eternos de lançar nossas sementes, vê-las florescer e produzir frutos. No microcosmo do dia, fazemos o mesmo: a energia vibrante da manhã guia nossas ações pela luz do dia até o poente, quando, no “Angelus”, no momento da oração no final da luz do dia, temos a oportunidade de fazer o balanço das nossas realizações e ponderá-las, uma preparação para o repouso da noite, com a renovação das energias que novamente despontam no amanhecer. No macrocosmo do ciclo Solar, o portal do Outono revela o momento da colheita e nos move no sentido de selecionar o que foi produtivo e o que precisa ser descartado.
Micael, cujo nome significa “Quem é como Deus”, é o líder dos exércitos divinos contra as forças do Mal, como nos recorda o Livro das Revelações. A imagem do Arcanjo Micael dominando o dragão com sua lança é representação da força e da coragem de que necessitamos no nosso percurso na Terra. Micael é também o Arcanjo que está diante de Cristo na seleção das almas no Julgamento Final.
A força de Micael está sempre manifesta: a cada final de jornada, quando as atividades iniciadas com a luz do dia se encerram para dar lugar ao repouso e à reflexão dando-nos a oportunidade de ponderar e avaliar nossas ações, sentir gratidão pelo que recebemos e fazer uma contrição pelo que não pudemos cumprir; e a cada ano, quando nosso planeta recebe do Cosmo o impulso micaélico no portal do Outono celestial, temos a oportunidade de reconhecer em nós e glorificar no outro a chama que brilha internamente, reverenciando a comunhão com a Luz Cósmica.

21 de setembro de 2017.

 

Autoria e referências:
*Carmem Tescarolo,

formação básica humanista (Comunicações, História e Relações Internacionais).
Aconselhadora Biográfica (ELEB-Gruppo XI);
Pós-Graduação Psicologia Junguiana (2007-2009);
Diploma de Astrologia Tradicional no curso de Sue Ward, Londres (2007-2011);
em formação no Curso “Luz e Escuridão” (2015-2018),
metodologia Collot D’Herbois , Docente Bernadette Gollmer-Hollestein.

Bibliografia:
Hermes & Asclepius. Corpus Hermeticum
Ficino, Marsilio. Three Books on Life
Grosseteste, Robert. On Light (De Luce)
Lievegoed, B. O Homem no Limiar
Lilly,William. Christian Astrology
Manilius. Astronomica
Ptolomeu. Tetrabiblos
Steiner, Rudolf. Four seasons and the Archangels.
Steiner, Rudolf. The Spiritual Hierarchies and the Physical World

 

Compartilhar:
Share