Bio grafia

Berenice von Rückert *

 

“Deixa a vida me levar, vida leva Eu”
Zeca Pagodinho

E assim podemos viver. E pode ser muito interessante, até mesmo termos a confiança de que a vida vai nos levar para caminhos que precisamos de fato viver.
No entanto não é só isso:

“Tomar a vida em suas mãos”                           
Gudrun Burckhard
Criadora da metodologia biográfica e fundadora das Escolas de Formação Biográfica no Brasil.

O Que significa esta frase que com tanta propriedade que ela nos fala?

Através da nossa história de vida podermos nos conhecer, sermos donos de nossa própria vida, do nosso destino e do nosso caminho de autodesenvolvimento e desenvolvimento? Será isso?

Mas como fazer? E como saber o que nos ensina a vida?

Sabemos que temos um caminho de desenvolvimento: bebê, criança, adolescente, adulto, ancião. Cada fase dessas implica em passos de crescimento e aprendizado. Tudo se transforma de fase para fase, desde a constituição corpórea,  relações sociais, alimentação,  capacidade de aprendizado,  colocação no mercado de trabalho e daí por diante.

E como já dizia o grande poeta e músico mineiro:

“A lição sabemos de cor, só nos resta aprender”
Beto Guedes

No entanto tem mais. Como observar diante disso tudo o que a vida pode nos ensinar? Quais são os caminhos de aprendizado e como podemos reconhecê-los?  Existe o caminho de fora para dentro que a “vida me leva” e existe o caminho de dentro para fora onde quem me leva é o Eu, ou seja, “tomando a vida nas minhas próprias mãos”

É para isso que foi criada uma metodologia, observando a vida em ciclos de 7 em 7 anos. Onde a cada ciclo existem leis específicas e movimentos individualizados que se diferenciam no cumprimento dessas leis. É este o caminho que temos que percorrer e entender através de um processo de conhecimento de nossa biografia.

Quando se apresenta o desejo e a necessidade,  “Vou fazer um biográfico”, significa colocar-se à disposição, em prontidão para conhecer, reconhecer, analisar sua própria vida e destino em direção a um crescimento e autodesenvolvimento visando um futuro mais coerente e significativo.

Afinal não nascemos para enfeitar a Terra, mas para fazermos a diferença e transformá-la.  E como já dizia o grande poeta e músico mineiro:

“A lição sabemos de cor, só nos resta aprender”.
      Beto Guedes


 * Berenice von Rückert
Aconselhadora Biográfica – SP –  1994
Docente da Formação Biográfica – JF – MG
Supervisora da Escuela Eleusis de Formación Biográfica – Buenos Aires – AR

Compartilhar:
Share